Financiera

Lula realmente está 'vivo' para 2018?

Lula realmente está 'vivo' para 2018?

Nesta quarta-feira (12), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) foi condenado pelo juiz Sérgio Moro a nove anos e seis meses de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Segundo os advogados, a sentença levou em sua fundamentação as declarações do "aspirante a delator" Léo Pinheiro, ex-presidente da construtora OAS. Este recurso apresentado chama-se embargos de declaração e é usado como instrumento por advogados justamente para solicitar ao juiz revisão de algum ponto da sentença.

Entre os que não vão ler, talvez se inclua o Dr. Sérgio Moro, que - como à sentença - já tem pronta a resposta rápida e pronta, dizendo que a defesa quer discutir o mérito da sentença por meio inadequado e, portanto, não vem ao caso esclarecer o que ela pede que seja esclarecido, o seu critério de valoração de testemunhos e documentos.

A defesa do petista reclama da "ausência de imparcialidade de Moro" e questiona a desqualificação de testemunhas que corroboram a tese defensiva, assim como acusam o juiz de "desrespeito" ao ex-presidente. Tentando reduzir o impacto da sentença, Lula disse que não se surpreendeu com a condenação e que somente o povo "tem o direito de decretar o meu fim". Evidentemente, no cálculo da indenização, deverão ser descontados os valores confiscados relativamente ao apartamento " Quando o ex-presidente da OAS José Adelmário Pinheiro Filho, o Léo Pinheiro - condenado por corrupção e lavagem a pena de 10 anos e 8 meses -, e o ex-diretor Agenor Martins - 6 anos por corrupção ativa - decidiram confessar participação no esquema de corrupção na estatal, referiram-se a uma espécie de "departamento de propinas" da empreiteira com o nome de "controladoria" - supostamente chefiado pelo executivo Mateus de Sá Coutinho, absolvido por Moro em outra ação. Apesar de o político seguir em liberdade, não demorou para que a internet reagisse à condenação com uma torrente de memes.

A sentença precisa ainda ser confirmada em segunda instância, pelo TRF da 4ª Região, em Porto Alegre. Se a confirmação não sair antes de outubro de 2018, o ex-presidente não será enquadrado na Lei da Ficha Limpa e poderá concorrer na próxima eleição presidencial.

Em evento de posse da direção do Partido dos Trabalhadores (PT) de Diadema, em São Paulo, Lula reafirmou que a única prova que existe no processo é de sua inocência. Ele está me julgado politicamente. "Se vocês (governo) não sabem, deixem de destruir esse País", afirmou o petista. "Se eles não me condenassem, o golpe não teria sentido".

"Não cabe condenar alguém apenas na palavra do corréu, e quem faz delação premiada é um corréu".